Home / Noticias / 10.11/2011 00:00h

Em Palmeira das Missões, Desagravo Público demonstra a união da advocacia

10/11/2011 00:00h | Atualizada em 02/12/2021 13:05h

image-galeria-0

"Em nome dos 82 mil advogados gaúchos afirmo que não será admitido que um profissional seja agredido, pois quando nós defendemos as nossas prerrogativas fazemos isso em nome do cidadão, a quem nós representamos", afirmou o presidente da OAB/RS, Claudio Lamachia, em ato realizado nesta quarta-feira (9).

Nesta quarta-feira (09), em Palmeira das Missões, os presidentes da OAB/RS, Claudio Lamachia, e da OAB local, Valdecir Valério Lopes da Silva, conduziram o ato de Desagravo Público ao advogado João Carlos de Araújo e Silva, que, no exercício de sua profissão teve cerceadas suas prerrogativas. Além disso, a Ordem gaúcha está à disposição para dar apoio e assistência jurídica ao advogado.

Conforme os autos, o advogado teve seu escritório invadido por pessoas armadas que o mantiveram cativo, simulando um assalto com a visível intenção intimidatória para que o profissional deixasse de exercer sua profissão.

Lamachia iniciou a solenidade afirmando que não poderia deixar de participar de um momento tão importante que demonstra a união da advocacia. "Estamos aqui para reforçar e reafirmar as prerrogativas deste advogado. Em nome dos 82 mil advogados gaúchos afirmo que não será admitido que um profissional seja agredido, pois quando nós defendemos as nossas prerrogativas fazemos isso em nome do cidadão, a quem nós representamos".

O dirigente declarou ainda que "o Desagravo é um resgate da dignidade profissional da classe, que além de trazer a solidariedade de todos os advogados do Rio Grande do Sul, mostra que a OAB/RS não aceitará qualquer ato que pretenda violá-las ou que de fato as viole", declarou.

Logo após, o relatório e a nota de Desagravo Público foram lidos pelo relator do processo, conselheiro seccional Cesar Souza, que destacou que "este advogado não se intimidou, por isso seu escritório foi invadido e até agressão física o profissional sofreu. A legitimidade da ação deve ser decidida pelo Judiciário e não cabe a ninguém arvorar-se no direito de tolher o direito constitucional do livre acesso a ele. É nesses momentos que Ordem deve estar ao lado dos advogados". (Clique aqui para conferir a íntegra da nota)

Em sua fala o presidente da subseção considerou o Desagravo Público como um ato de justiça. "Realizamos nossas funções com a maior lisura e responsabilidade, por isso temos que defender as nossas prerrogativas".

Emocionado, em seu discurso, Silva apontou aos presentes que o advogado exerce função social e que "não podemos ficar inertes e com receio de desagradar a quem quer que seja".

Além dos já citados estiveram presentes o coordenador das subseções, o conselheiro seccional Luiz Eduardo Amaro Pellizzer; o conselheiro seccional Marino Outeiro; o presidente da subseção de Carazinho, Luciano Hillebrand Feldmann;  os ex-presidentes da OAB Palmeira das Missões, Jair Kayser e Tercio Michel; o juiz-diretor do Foro local, Juliano Rossi; o representante da Câmara de Vereadores, Eduardo Russomano Freire; e os vice-presidentes das subseções de Palmeira das Missões e Carazinho, Eduardo Nassif Branchier e Julio Eduardo Piva, respectivamente.

Vistoria


Após realizar o ato de Desagravo Público, o presidente da OAB/RS, Claudio Lamachia vistoriou o terreno doado pela Prefeitura para a construção da sede da subseção.

Lamachia ressaltou que a Ordem gaúcha vem trabalhando para terminar as obras das sedes das subseções, e que o desejo da entidade é que nenhuma OAB local fique sem espaço próprio.

O presidente da subseção, Valdecir Valério Lopes da Silva, destacou a importância de os advogados terem uma estrutura da subseção para trabalhar e como a sede facilitará as atividades diárias dos profissionais – já que o terreno doado fica próximo ao Foro.

10/11/2011 00:00h | Atualizada em 02/12/2021 13:05h



Notícia anterior

OAB/RS presente em seminário sobre políticas públicas para índios guaranis

09.11.2011
Próxima notícia

Presidente da OAB/RS reforça que sociedade deve pressionar STF a retomar julgamento da Ficha Limpa ainda este ano

10.11.2011

Principais notícias

Ver todas